Religião e a Emigração Polonesa
Paróquia N.S. da Anunciação
Paróquia N.S. da Anunciação
Paróquia N.S. da Anunciação
Paróquia N.S. da Anunciação
Paróquia N.S. da Anunciação
Irmãs da Sagrada Família
DSCF6430
Benção de Ramos
Swięconka
DSCF6492
Corpus Christy
Movimento da Capelinha
Festa Religiosa e Cultural
Festa da Padroeira
Capelinhas de Nossa Senhora
Paróquia N.S. da Anunciação
Quadro Sacro -
Culturartepolonesa 

A Religião e sua estruturação - Colônia Dom Pedro II 

         

        A imigração europeia do final do século XIX e início do século XX, se concentrava nas Colônias próximas às paróquias ou igrejas católicas, tendo em vista que a religião oficial do Brasil era o catolicismo. No âmbito da imigração, a igreja católica mediou entre o Estado e os imigrantes no Paraná (WACHOWICZ, 1970).

     A Colônia Dom Pedro II teve a sua fundação em 1876, para receber 32 famílias de imigrantes europeus: poloneses, franceses e suíços. Os imigrantes, desde o início da colonização, buscavam o apoio espiritual na Igreja da Colônia Orleans, junto aos Padres poloneses de distintas Congregações, que atendiam essa Colônia. Nesse período com a ausência de igrejas próximas da colonia, os imigrantes construíram algumas Cruzes nas Colônia e praticavam a sua religião e fé.

     A Colônia Dom Pedro II, por ser um núcleo menor e mais distante da capital da província a 15 km, o governo não dava o apoio necessário e os imigrantes se ajudavam entre parentes e amigos e com o apoio do clero, Padres católicos (1875) e Freiras da Congregação da Sagrada Família (1908). A vida espiritual e religiosa  foi se estruturando juntamente com o desenvolvimento da Colônia, desde o início da imigração.  

     Na Capela provisória (de 1908), os imigrantes passaram a participar de Celebrações Eucarísticas e de atividades religiosas. Havia Celebrações de Missas, nas sextas feiras pela manha e no 3º domingo de cada mês, havia celebração da Missa no horário das 15hs. Posteriormente, começaram a construção de uma nova Capela de alvenaria, mais no alto da Colônia. 

    E em 1950, foi construída a atual Igreja, ao lado da 2ª escola das Irmãs (sendo 1ª pública/1946).  Em 1975 a Capela da Colônia Dom Pedro II foi desmembrada da Paróquia de Nova Orleans e foi transformada em Paróquia Nossa Senhora da Anunciação da Colônia Dom Pedro II, tendo como 1º Pároco, o Pe. Wendelin Swerczek. Em seu projeto pastoral e administrativo foram instituídas seis Capelas, que integravam a divisão da Diocese de Curitiba.

     Em 2013, com a nova divisão paroquial realizada pela Diocese de Curitiba, a Paróquia Nossa Senhora da Anunciação passou a se compor pelas seguintes Capelas: A Capela Nossa Senhora da Luz, na Colônia Figueiredo; São Miguel e São Justino de Jacobis, na Colônia Rodrigues; Nossa Senhora Aparecida, no Bairro de Cercadinho e São Pedro, na Vila Dom Pedro. A capela do Pioneiro foi desmembrada para paróquia de Santo Antonio de Campo Magro e a Capela N.S. Perpétuo Socorro de Santa Cecília para Paróquia de Curitiba.  

     A atual Igreja foi construída em 1980 em formato de navio, em homenagem aos imigrantes poloneses desta comunidade (LIVRO TOMBO DA COLÔNIA DOM PEDRO II, 1876). 

       Os Padres Católicos da Congregação de São Vicente de Paula mantém a Paróquia Nossa Senhora da Anunciação da Colônia Dom Pedro II/ Campo Largo PR. São vinculados ao Seminário Nossa Senhora das Graças/Curitiba. 

     Na Paróquia existem vários Movimentos, trabalho pastoral e projetos. Os Seminaristas também desenvolvem um trabalho missionário, junto a Paróquia nas comunidades pelos movimentos religiosos da Paróquia e nas quatro Capelas assistidas.  

       Desde a instituição da Paróquia Nossa Senhora da Anunciação no dia 06/01/1975, pelo Pe. Wendelin Swerczek, vários párocos  e vigários integraram essa Paróquia. Entre eles encontram-se os seguintes:

 1. O primeiro vigário desta Paróquia foi: Pe. Wendelin Swerczek – 1975 – Pároco

 2. Pe. Jorge Morkis – 1978. – Pároco.

 3. Pe. Augusto Selenka – 1978 - Auxiliar

 4. Pe. Leopoldo Gogol – 1979 - Pároco

 5. Pe. Ricardo Gogola – 1979 - Auxiliar

 6. Pe.Albino Czanoski – 1980 - Auxiliar

 7. Pe. Bronislau Koslowski – 1980 – Auxiliar

 8. Pe. Eugênio Wisniewski – 1983 – Pároco.

 9. Pe. Pedro Speri (Piti) – 1985 - Ad. Paroquial

 10. Pe. João Pawlik – 1985 - Auxiliar

 11. Pe. Luís Czarnecki – 1986 - Pároco

 12. Pe. Jorge Morkis – 1989.  - Pároco

 13. Pe. Victor Paszek 1991 – Ad. Paroquial

 14. Pe. Gilson Cesar de Camargo – 1992 – Pároco

 15. Pe. José Carlos Fonsatti – 1995 a 2004 - Pároco

 16. Pe.Esnislaw Slowik -2005 - 2016

 17. Pe Ilson Hubner - Pároco -2016 à ago/2018 atualmente vigário 

 18. Pe. Luis Czarnecki  Vigário 2017 ate ago/2018

 19. Pe. Joélcio Saibot - Pároco ago/2018 a março de 2020.

 20. Pe. Pedro Valeriano Klidzio  - Pároco março de 2020 a.......... 

         

      Celebrações religiosas  - Polonesas

    Durante o ano litúrgico, desde as primeiras décadas da emigração, os poloneses, tem por tradição da fé católica, participar das várias celebrações religiosas. Entre as festas religiosas, encontram-se as do período de Natal, a quaresma, Benção de Ramos, Corpus Christi, celebrações do dia da Padroeira (25 de março), Festa Cultural e benção das colheitas. Os meses de maio e outubro são dedicados à Nossa Senhora. E o mês de agosto para a Benção das flores e ervas. Há as celebrações de finados e entre outras celebrões e de Dias Santos. 

     Na quaresma são importantes as celebrações período de jejum e abstinência, com celebrações acompanhadas de canções em polonês, (Gorzkie żale) canto de lamentações da vida de crucificação de Jesus e via sacra.

    No sábado de aleluia celebram a  bênção de alimentos e  Páscoa da Ressurreição, um período de renovação.

    No período que antecede o Natal celebram o Advento. É o tempo de preparação espiritual para as festas Natalinas.

   A celebração do Natal em família, ocorre com a partilha do pão ázimo, entre os membros da família antes da ceia. No período de Natal, celebram o nascimento de Jesus, com os cantos poloneses, entoando às (kolendy ).

   Após o Natal se realiza a "Bênção de casas" dos poloneses, pelo Pároco da Igreja Católica da Colônia, celebram as (kolendy  na ocasião do Dia de Reis. Realiza-se as rezas do terço em família e os costumes na realização dos funerais poloneses (SIKORA, 2014).

 

 Conteúdo acima, em partes, extraído da pesquisa descrita na Dissertação de Mestrado. No uso de conteúdos (citações em estudos e pesquisas),  favor referenciar os Autores, sob consulta.  Link para Dissertação: Link - CT_PPGTE_M_Sikora, Mafalda Ales_2014.pdf

 

As Fotos do Site: São de uso exclusivo desta pesquisadora. 

SIKORA, Mafalda Ales. As políticas de imigração no Brasil nos séculos XIX e XX e o desenvolvimento de territórios: Estudo de Caso da Colônia Dom Pedro II - (Campo Largo – Paraná) 2014. 210 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2014.    

Publicação e fotos de Mafalda Ales Sikora

© 2015 por Culturarte.polonesa. Orgulhosamente criado com Wix.com